quinta-feira, 22 de fevereiro de 2018

I, Tonya


Olá!
Graças a uma amiga minha, ontem tive a oportunidade de assistir à antestreia do filme I, Tonya. Sem dúvida que era um dos nomeados que mais queria ver e fiquei extremamente feliz por o poder ver na altura que estreia no cinema.
O bilhete que a minha amiga me deu era válido para duas pessoas, então levei a minha mãe comigo, pois ela sempre gostou de patinagem artística, e apesar de o filme não ser centrado especificamente nesse aspecto, achei que ela ia gostar. E gostou.

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

Oscars Nominees 2018 | Round 1


Olá!
Como prometido, estou aqui para vos falar sobre alguns dos filmes com nomeações para os Oscars deste ano. Como vou falar de mais do que um filme, o texto relativamente a cada um será mais breve do que o costume, mas espero que consigam compreender na mesma no que consiste o filme e qual a minha opinião acerca do mesmo.
Vamos lá começar. Aqui ficam 6 filmes.

The Big Sick

The Big Sick é baseados na história de Kumail Nanjiani (interpretado por ele próprio) e Emily Gardner (Zoe Kazan). Ele é um comediante paquistanês e ela uma aluna de mestrado que pretende seguir Psicologia. Conhecem-se num Clube e apesar de ele saber que a relação está, à partida, condenada, devido à tradição paquistanesa do casamento arranjado, deixa-se envolver. É uma relação forte, mas que acabada por ser fugaz, pois Emily não tem noção das tradições que Kumail supostamente tem de seguir. E tudo fica pior quando Emily fica subitamente doente e acaba em coma induzido no Hospital.
Apesar de ser um filme baseado numa história verídica, acaba por ser um pouco cliché. O início e o fim do filme têm muito mais a acontecer do que a hora que lhes fica no meio, mas nem por isso se torna um filme aborrecido. Existem alguns momentos comoventes que dão um bom ritmo à histórica, bem como um contraste ao tom de comédia.
É um bom filme com boas prestações por parte dos actores.

Nomeação: Argumento Adaptado.

terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

With Love from my Godmother


Olá!
De duas em duas semanas, aos sábados, vou com a minha Mãe e a minha Madrinha ao cemitério. Já vos disse algumas vezes que gosto de ver se há flores bonitas e que ainda tenham um bom tempo de vida a espreitar pelos caixotes de lixo, mas nunca disse o quão encantada fico com as flores que a loja de velas também vende.
Usualmente, as flores que usámos são do jardim cá de casa, por isso não temos muito o hábito de comprar, a não ser que o jardim esteja absolutamente vazio. Da última vez que fomos ao cemitério, a loja das velas tinhas alguns bouquets de tulipas, estamos na altura delas, não é? Eu disse à minha Madrinha que as achava muito bonitas, pois eram uma mistura de cor-de-rosa e lilás.
Fomos tratar dos nossos afazeres e quando íamos embora, a minha Madrinha decidiu ir lá comprar as tulipas e oferecer-me. Fiquei tão feliz.
Como adoro quando as pessoas me oferecem flores, principalmente se forem as minhas favoritas, e como gosto imenso da minha Madrinha, decidi que era mais do que apropriado vir cá mostrar-vos as flores bonitas que ela me deu.


segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018

43 horas em Amesterdão | Dia1


Olá!
Entre 15 e 17 de Janeiro estive em Amesterdão com 3 primos. O intuito principal desta viagem foi o de assistir ao concerto dos Paramore, que aconteceu na noite de dia 16. Já que a banda nunca mais cá voltou depois do concerto no Alive de 2011 e é uma das bandas favoritas de uma das minhas primas, falei com ela e lá fomos nós.
Tinha pensado fazer apenas um post, mas são tantas as fotografias que quero partilhar convosco, que me pareceu melhor fazê-lo em dois.


domingo, 18 de fevereiro de 2018

Wonder


Olá!
Bem, já queria ter começado com os posts de review dos filmes nomeados há mais tempo, mas demorei um bocado para começar a ver os filmes, então só agora começo. Preparem-se para uma série de posts do género. Já sabem que os que vejo no cinema têm um post individual e os que vejo em casa aparecem em conjunto com mais 4 ou 5 filmes.
O filme de hoje já o vi em Dezembro, enquanto estive em Londres, por isso já o vi antes de saírem os nomeados aos Oscars de 2018. Na altura não falei dele, porque tinha a minha série de posts de Natal e não quis interromper e depois deixei andar. Mas pronto, o que interessa é que vou falar dele hoje: Wonder.
Tem uma única nomeação para a categoria de Maquilhagem e Cabelos.

imagem de imdb.com
Baseado no livro de R. J. Palacio, Wonder conta a história de August Pullman (Jacob Tremblay), um menino que nasceu com uma doença chamada o Síndrome de Treacher Collins, que consiste na deformação de tecidos faciais e no atraso do crescimento de ossos. É uma doença real, que não pode ser curada e que é rara, sendo que acontece em cada 1 de 50 mil nascimentos. No filme é-nos dito que Auggie tem esta doença devido à combinação de dois genes, um proveniente do pai e outro da mãe, e que, por isso, também a sua irmã Via (Izabela Vidovic) poderia ter o mesmo problema. Esta doença faz, então, com que o menino tenha a cara desfigurada.
Até ao início do filme, Auggie foi sempre mantido o máximo possível em casa, para sua segurança, o que inclui ter tido a sua mãe (Julia Roberts) como professora. Com a chegada do 5º ano, a mãe, com o apoio do pai (Owen Wilson), decide que está na altura do filho frequentar uma escola pública, tal como todas as outras crianças fazem. É claro que, sendo ele um menino dito diferente, vai sofrer alguns abusos verbais por parte das outras crianças. O importante é ver como ele lida com isso e como aprende a aceitar-se tal como é e ajudar os outros a fazer o mesmo.

O filme segue fielmente o livro, o que é algo que me agrada bastante, pois este é um dos meus livros favoritos.
Sei, através de algumas reviews que já li, que a divisão da narrativa por ponto de vista das personagens pode parecer estranhar, mas é, sem dúvida, uma forma de termos uma história muito mais completa.
A passagem de cenas foi muito bem conseguida com elementos naturais aliados a uma música apropriada a cada momentos. Os cenários são, também incríveis. Se são fans de Star Wars vão delirar com o quarto do Auggie.
As personagens estão extremamente bem interpretadas e não alteraria nenhum dos actores. Cada um deles consegue trazer um elemento emocional diferente e fazem com que sintamos compaixão.
Há também que referir o papel brilhante de Jacob Tremblay. É impressionante como um miúdo de 11 anos consegue fazer interpretações deste calibre, ainda por cima com papéis principais e que envolvem tanta caracterização.


Já viram este filme? O que acharam? Gostaram da narrativa por pontos de vista?
E leram o livro? Se sim, quero saber se acham que foi bem adaptado ou não.


Lena ♥




© Helena Pereira, Wonder, 2018 All Rights Reserved.

segunda-feira, 12 de fevereiro de 2018

Rapunzel's Best Day Ever | Lego


Olá!
Pelo Natal, o meu pai ofereceu-me 3 set da Lego, dois deles das Princesas de Disney e um dos Beatles.
Como já fiz aqui há uns tempos, resolvi partilhar convosco o resultado final e a minha opinião sobre a construção, se vale a pena ou não e coisas do género.
Vou começar com o set da Rapunzel que, como podem ver pelo título, chama-se Rapunzel's Best Day Ever.


sexta-feira, 9 de fevereiro de 2018

Pelo Parque das Nações


Olá!
No dia 6 de Janeiro, eu e o meu irmão fomos ao concerto dos alt-J, uma das nossas bandas favoritas, no Pavilhão Atlântico. Os meus pais decidiram que queriam connosco para Lisboa para podermos dar um passeio. Ficámos alojados na zona do Parque das Nações, por isso estava tudo ali perto.
Começámos por andar de teleférico, que era uma coisa que não fazíamos há vários anos. É sempre bonito ver o Rio Tejo e os vários edifícios, todos eles com as suas alturas e tipos arquitectónicos diferentes, lá de cima. E também uma forma diferente de atravessar o Parque das Nações.