quarta-feira, 30 de setembro de 2015

portraits by Arman


Olá!
E hoje a Arte aparece no blog. Finalmente. Era algo que já queria fazer há algum tempo, mas a forma como o que queria fazer envolvia muito trabalho para o qual não tenho disponibilidade neste momento devido ao mestrado. Mas eis que, ao visitar uma exposição na semana passada, me lembrei de outra maneira.
Começo com um artista que muitos de vós não devem conhecer, pois não é daqueles muito falados como Van Gogh ou Leonardo da Vinci.

Hi!
Today Art finally shows up on my blog! It was something I wanted to do for a while but the way I wanted it to be made envolved a lot of work for which I don't have time because of my master degree. But while visiting an exposition I figured out another way of doing it.
I will start by talking about an artist that probably most of you won't know because is not "famous" like Van Gogh or Leonardo da Vinci.


A semana passada visitei a exposição [CON]TEXTO na Galeria Municipal do Porto, no Palácio de Cristal, que pode ser visitada até ao dia 15 de Novembro. A obra que vêem em cima é de Pedro Calapez e chama-se Auto Retrato. Esta ideia de auto retrato em que não há ninguém retratado mas sim as suas coisas, ambientes e trabalho é algo de que eu gosto e que me é familiar e levou-me imediatamente para as obras do artista francês Arman, um dos fundadores do Nouveau Réalisme em 1960, um estilo que trazia o realismo de novo para arte, mas de uma forma ainda mais real. // Last week I went to see the exposition [CON]TEXTO at Galeria Municipal do Porto, that you can find at Palácio de Cristal, and that you can visit until the 15th of November.The work that you see above if from Pedro Calapez and it's called Self Portrait. This idea of a self portrait where there are things and work envirnments instead of a person portraited it is something that I like and that is familiar to me and took me immediatly to the works from a french artist called Arman one of the fouders of the Nouveau Réalisme in 1960, a style that brought the realisme back to the art but in a more real way.

Daniel Spoerri, 1962.
Arman dedicou-se sobretudo a fazer os que ficaram conhecidos como "retratos do século XX", isto porque, tal como acontece na obra de Pedro Calapez, os seus retratos não mostravam as pessoas mas sim os objectos e é a partir deles que ficamos a conhecer os retratados. Nestas obras o que ele começa por fazer é pedir às pessoas, que são sobretudo seus amigos e artistas, que lhes forneçam coisas que os caracterizem e com isso ele monta algo como na imagem acima. Pode ver-se um pouco de tudo e, na minha opinião, é uma forma muito mais específica de ficar a conhecer alguém. // Arman dedicated almost his entire work doing what are known as "portraits of the XX century" and this happens because, like in the work of Pedro Calapez, his portraits don't show people but their objects and it is from them that we get to know the portraited people. In this works he starts by the person, mostly his friends and artists, to give him things that charcateriz them an with those he creates something like you see above. He can see a little bit of everything and, in my opinion, it is a more specific way to get to know somebody.

Jacques de la Villegle, 1965.
É um trabalho que vai desenvolver durante vários anos, entre 1960 e 1992, e dá-lhes o nome de "retratos robot". Passa também por várias fases, sendo que deixa de pedir coisas às pessoas e começa ele próprio reuni-las, muitas vezes a partir do lixo que essas pessoas fazem e até acumulam. // This portraits are something that he works during a lot of years, since 1960 until 1992, and he gives them the name of "robot portraits". He also passes for some phases and in one of them he stops asking for the things and collects them himself mostly from the garbage.

Lustre, 1958.
Esta ideia de acumulação é algo que também vai trabalhar muito, fazendo um retrato de uma sociedade que ele considera ser super consumista e que é capaz de ter muitas coisas do mesmo e até de as deitar fora mesmo quando em bom estado. Este é um trabalho que acompanha todo o seu trabalho, sendo que o começa, mesmo antes de existir Nouveau Réalisme, em 1958 e só termina no ano em que morre em 2005. // This idea of accumulation is something that he also works a lot, making a portrait of a society he considers to be super consumist and that is capable of having a lot of the same things and throw away things that are still good. This is a work that he starts, even before the beggining of the Nouveau Réalisme, in 1958 and that ends in the year of his dead in 2005.

Clic Clac Kodak, Hourra!, 1961.
Denomina mesmo estas obras como Acumulações e para mim as mais fascinantes são as mais antigas, pois posso conhecer uma sociedade da qual não fiz parte e que me fascina. // He calls this works Accumulations and for me the most fascinating ones are older ones because I get to know a society of which I did not made part and that fascinates me.

Gaz A Tous Les Etages, 1961.
Todas estas obras são constituídas com coisas que ele retirou do lixo e é impressionante ver a quantidade de variedade que se pode encontrar no lixo, desde relógios de bolso, garfos, dentaduras, armas, cadeados, negativos, óculos, moedas, olhos de plástico, etc., havendo mesmo acumulações destas em que todas as peças são exactamente iguais, sendo uma forma de podermos ver as modas que vão passando, seja com escovas, bonecas, botões, etc. // All this works are made with things that he took from the garbage and it is impressive to see the variety of things that you can find in the bins, since pocket watches, forks, dentures, guns, lockers, negatives, glasses, coins, plastic eyes, etc., which makes possible for some of these accumulations being made only by exactly the same object over and over again a way for us to see the hit objects of the time like hair brushes, dolls, buttons, etc.

Sans Titre, 2005.
Achei interessante trazer-vos este tipo de retratos, tanto de um indivíduo como de uma sociedade, e agora quero que me digam o que acham vocês destes trabalhos. Se vos fizessem um retrato destes o que é que ele incluía? E quais acham que seria os objectos que caracterizariam a nossa sociedade numa destas acumulações? Se quiserem ficar a conhecer mais obras de Arman basta acederem a este site. // I thought it was interesting to bring this type of portraits, either of a person or a society, and now I want you to tell what do you think of this works. If someone was going to make a portrait like these ones about you what would it inlcude to characterize you? And what do you think would be the objects that should chac«racterize our society in one of these acumulations? If you want to know more or Arman's works you just need to check this website.

Todas as imagens foram retiradas da Internet. // All the images are from the Internet.



Lena ♥


© Helena Pereira, portraits by Arman, 2015 All Rights Reserved.

4 comentários:

  1. Gostei imenso da confusão organizada do trabalho dele, obrigada por partilhares :)

    http://venus-fleurs.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, tudo tem o seu lugar embora não pareça. Ainda bem que gostaste! xx

      Eliminar
  2. obras singulares, sem sombra de dúvidas! Gostei da Sans Titre :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Essa obra é super bonita! Engraçado ser possível encontrar tantos pares de brincos iguais no lixo! xx

      Eliminar

Thank you for passing by and commenting on my blog!
I answer when I see the comments.
xx